quinta-feira, 7 de agosto de 2008

TÉCNICA "ENSINA BEBÊS DE COLO" A IR AO BANHEIRO

Com seis semanas, Flora já começava a fazer o que algumas crianças perto do segundo ano de vida não conseguem. Sentada no troninho, fazia o "número dois" sob o olhar atento da mãe e dos irmãos. Hoje, aos seis meses, fraldas são coisa de seu breve passado.
A menina, que mora em Shoreline, Washington (EUA), foi treinada pela mãe, Nadine Martinez, 27, para a EC (sigla de "elimination communication", ou comunicação para evacuar). A técnica ensina crianças que sequer balbuciam suas primeiras sílabas a dar dicas de quando querem fazer cocô e xixi.
A EC é baseada na habilidade natural da criança de "avisar" quando precisa fazer suas necessidades. A técnica consiste em prestar atenção aos sinais e estabelecer um marcador (um chiado, por exemplo) que o bebê relacione ao ato de evacuar. A partir daí, segundo especialistas, a criança passa a entender que o marcador é um sinal verde para usar o banheiro.
Arquivo pessoal
Joseph, 3, Flora, então com 2 meses, e Madison, 7, filhos de Nadine; foto marca 1ª vez em que irmã pôs bebê no penico com sucesso
Quando Flora nasceu, Nadine decidiu usar fraldas de pano --que voltaram a ganhar espaço nos Estados Unidos e Europa recentemente. Mas, cansada do trabalho de lavá-las, procurou uma alternativa e passou a treiná-la para a EC, sob orientação da
Diaper Free Baby, entidade com base em Massachusetts (EUA).
"Já tinha ouvido falar disso, mas a idéia parecia ridícula. Só depois de ir a um encontro da ONG é que entendi o conceito", diz a mãe.
Com seis semanas, Flora já usava o penico, mas incidentes ocorriam com freqüência. Um mês depois, as fezes já não "escapavam" e quase todas as urinações estavam sob controle.
"No começo, tirei as fraldas e mantive uma manta sob o bumbum. Eu ficava alerta para os sinais de que ela queria evacuar, e percebi que ela fazia um ruído e se contorcia, além de empurrar as pernas para cima", relata. "Passei então a erguê-la sobre um penico e fazer um barulho, um 'psss'."
Segundo a mãe, Flora pareceu entender o que deveria fazer quando ouvia o chiado --mesmo quando era alarme falso. "Se eu me enganasse e a colocasse no penico sem necessidade, ela fazia sons e tentava evacuar. Ficava maravilhada quando via aquilo."
Segundo os defensores da idéia, não é necessário dedicar-se à EC em tempo integral. Mesmo treinamentos ocasionais podem ser eficazes. "Tenho três filhos, e tanto eu quanto meu marido trabalhamos fora", ressalta Nadine.
Postar um comentário