sábado, 7 de fevereiro de 2009

CULTURA INDIANA


Dias atrás assisti ao filme "As margens do Rio Sagrado" que mostra um pouco da dura realidade vivida pelas mulheres na India, principalmente as víuvas.

Num dos diálogos no filme um dos personagens faz alusão a um poema de um indiano Kalidasa chamado MEghaduta. (Em sanscrito Mensageiro das nuvens)Abaixo uma pequena nota sobre o poema. Conheça mais sobre a cultura indiana.



Kālidāsa - Segundo a tradição indiana, Kālidāsa era um brâhmane contemporâneo do rei Vikrama – Ādtya de Ujjayini por volta de 57 a.C. o qual teria protegido alguns literatos na sua corte. Embora seja incerta a data ou mesmo a era deste poderoso monarca protector das letras, situa no entanto a vida de Kālidāsa, havendo por isso limites entre 150 a.C. a 634 d.C. É portanto, no século I a.C., que a tradição coloca Kālidāsa.Dos poemas líricos, destacam pela perfeição o Meghaduta e dos seus vários dramas, o mais célebre, Śakuntalā que alcançou grande popularidade tanto na literatura indiana, como na do ocidente. Kālidāsa é assim considerado uma luz no firmamento literário do mundo.A riqueza da sua visão criadora, a sua percepção das belezas da natureza, aliada a uma melodiosa cadência métrica, é a combinação perfeita que colocam Śakuntalā, na vanguarda das obras líricas, pela suprema criatividade. Śakuntalā, a jóia indiana, em peça de teatro, começa por uma evocação à Divindade. Śakuntalā é o nome de uma jovem de 18 anos que foi criada na floresta, feliz no meio da natureza, educada por um sábio. O saber é expresso nos diversos estados de alma de cada personagem, em diálogos que demonstram a espontaneidade não só dos sentimentos, como de uma fraternidade que comove pela pureza, que ainda hoje grande parte da humanidade não atingiu. A mística e espiritualidade fluindo pela boca dos participantes revela a grandiosidade do pensamento e da vivência quotidiana, assente na profunda filosofia e religiosidade da Índia. É de uma magia transcendente este excelente drama, que atinge delicadas nuances de universalidade.
Postar um comentário