sexta-feira, 1 de junho de 2012

DEIXE A PEDRA ROLAR!!!


Imagine se você fosse obrigado a rolar uma pedra montanha acima e quando a pedra chegasse lá no alto, ela pelo peso, rolasse montanha abaixo e assim sucessivamente, eternamente rolando a pedra lá em cima e ela descesse de novo.....
A um mito que fala exatamente isso, o mito de Sísifo. Nele , este homem é condenado por ter cometido alguns erros contra os deuses a rolar esta pedra pela eternidade afora..
Parece que posso sentir Sísifo colocando suas mãos na pedra, aquela solidez arenosa, suas mãos se ferindo, seu rosto , seu corpo contra aquela rigidez..... Seus pés no chão, lançando o impulso para a pedra subir. Era como se ele fosse a própria pedra.
Albert Camus escreve sobre o mito de Sísifo e ele o compara a metáfora do absurdo. O mito é uma metáfora da vida humana, do trabalho sem sentido, de realizações que fazemos que não  tem valor.
Quantos seres humanos já passaram por este planeta e simplesmente  obedeceram a regras e mais regras, viveram para tornarem ricos seus patrões, a fazerem sempre a mesma coisa... Não ousaram, não criaram, não acreditaram no poder de suas idéias.
Aníbal general cartaginês já dizia. " Se não há caminhos, então precisamos abri-los."
Mas o que é interessante no mito, embora não está escrito isso na história, é o momento da pausa, o momento em que Sísifo desce novamente para buscar a pedra. Nessa descida ele pensa.... ele se torna consciente do absurdo de seu trabalho. É esse pensar, e essa consciência que liberta Sísifo de seu absurdo. E e exatamente para nós também, o pensar, o se tornar consciente que nos liberta da mesmice da existência, dos cadeados e trancas que esta sociedade nos impõem, Reich foi um psicólogo que trabalhou muito esta questão da repressão humana da sociedade sobre o homem e da necessidade de romper com essa couraça.
Precisamos repensar nossa existência, precisamos rasgar esse véu de hipocrisia, que tem um discurso libertário, mas que ainda continua oprimindo. Deixe a pedra rolar. Liberte-se!!!
Postar um comentário