domingo, 21 de abril de 2013

PENSO, LOGO EXISTO?





Renê Descartes nascido em 1531, foi um filósofo matemático e físico francês, um dos precursores da filosofia moderna.
Descartes em seu método procura fundamentar a filosofia , buscando suas verdades, sua essência através de uma dúvida radical e hiperbólica. Passou a duvidar de tudo que lhe vinha a mente através dos sentidos, pois dizia, estes podem nos enganar sempre. Mas havia algo que não podia passar pelo crivo da dúvida: Para Descartes o fato de ele pensar simbolizava que estava vivo, que algo inerente a si mesmo, sua essência, estava ali, livre de todos os sentidos. Penso, portanto, se penso existo!!!  
Seu método se baseava então em duvidar de tudo. Depois de, através da dúvida , eliminar a parte descartável do conhecimento, os erros, sobravam os fundamentos.
Esses fundamentos deveriam então, num segundo momento ser analisados parte por parte, dissecados a fim de se perceber realmente aquilo que se está tentando conhecer.
Após essa fase de dissecação e análise, surge a verdade  sobre o objeto ou conhecimento. 
Esse resultado deve ser organizado e elaborado de forma sistemática do maior para o menor , assim tendo um fundamento confiável a respeito do conhecimento.
Descartes inaugura assim o pensamento cartesiano, dual, materialista e matemático da realidade.
Para se conhecer algo, é preciso duvidar, e dividir!
O método então foi um sucesso na matemática, na física e em conceitos que explicam as leis da natureza e do Universo. 
No entanto, a maneira de pensar de Descartes contaminou todas as áreas do conhecimento humano, não só as disciplinas tecnológicas, mas as humanas também.
O homem passou a ser visto como uma máquina, um relógio em que era possível, a partir da análise separada de cada peça, desenvolver uma teoria que explicasse seu comportamento, e quem sabe com esse conhecimento aplicar-lhe um remédio que o conduzisse ao caminho correto.
Mas pouco a pouco foi se percebendo que o ser humano é muito mais do que simples máquina. É dotado de corpo, alma e espírito, pensamento e sentimento. É um sistema complexo que não pode ser dissecado e analisado como uma máquina. Precisa ser entendido em suas diversas multidimensões,
Antonio Damásio publicou a alguns anos atrás um livro onde sugere que Descartes cometeu um erro. O correto não seria dizer " Penso logo existo, mas antes " Penso, sinto, logo existo"
Damásio postulou sua teoria em diversos estudos clínicos de pacientes com lesões cerebrais. Um dos mais famosos foi de Phineas Gage um homem de 25 anos que trabalhava em conduzir a explosão de pedras em uma mina. Em um dia, um erro em um dos processos ocasionou uma explosão. Uma barra de ferro de 4m por 3 centímetros de espessura atravessou a face de Phineas Cage infiltrando-se no lobo pré frontal. Cage sobreviveu, aparentemente sem sequelas. Mas pouco a pouco os colegas de trabalho foram percebendo de Cage apresentava mudanças no humor, não conseguia mais coordenar suas emoções a suas decisões. Pouco a pouco foi tornando-se antissocial e sua vida sofreu grande derrocada. Isso levou Damásio a postular que o ser humano é um ser integrado, que não funciona apenas no pensamento, sentimento, ou cérebro, mas como um ser total.
É claro que temos que entender o pensamento de Descartes em seu contexto. Talvez o pensador cometeu o  erro por viver um momento histórico onde não haia pesquisas avançadas e instrumentos necessários para entender o ser humano!!!
Com isto devemos compreender que a sociedade valorizou demais o pensamento análitico, formando tecnicistas especialistas, mas que por outro lado " deixou para trás" a parte emocional do ser humano, e isso tem provocado uma sociedade doente, incompleta e extremamente violenta.
Precisamos como ensina o filósofo e pensador Edgar Morin reformar o pensamento e o ensino para assim ter um ser humano mais integrado e uma sociedade mais feliz!!!
Postar um comentário