sábado, 26 de outubro de 2013

O VALE DE BORBOLETAS




Em tudo que leio, ou escuto sempre busco evidências que comprovem tais afirmações. Vivemos em um mundo de tantas ideias, a grande maioria provenientes do senso comum , que precisamos estar atentos para não sermos levados por toda sorte de teorias.
O misticismo tem muitas vezes usado a ciência para consolidar suas crenças. A Física Quântica, um ramo da Física clássica que ensina que a leis que atuam no mundo microfísico, nada tem a ver com as leis da realidade em que vivemos,tem servido de suporte para alguns místicos, e muitas vezes postulados são distorcidos para se adaptarem aos caprichos da teoria .
A alguns dias atrás li uma reportagem em que o neurocirurgiãoEben Alexander III era um cético com 25 anos de profissão, tendo trabalhado no Brigham & Women´s Hospital e na Escola de Medicina de Harvard, entre outros. Há quatro anos, após contrair uma meningite bacteriana, ele viveu uma experiência de quase morte (EQM) durante sete dias de coma e escreveu o livro “Uma prova do Céu” (Ed. Sextante) contando a história que mudou sua vida.
Nessa história o médico afirma que seu cérebro foi infectado por uma bactéria de meningite o que  destruiu totalmente seu neocortex (área especializada do cérebro que tem a ver com o pensamento complexo)Se cérebro foi danificado de forma profunda, o que o manteve em como por sete dias. Exames de última geração, como ressonância magnética foram feitas e comprovaram a devastação do órgão. Segundo o cientista, era impossível ter sobrevivido.
Questionamentos podem ser feitos desse episodio O principal seria: Essa experiência de quase morte não teria sido causada pelo próprio cérebro?
Pesquisas indicam que ao  influenciar certas áreas do orgão, essas imagens  apareceriam espontaneamente.
Uma outra pergunta: Como um cérebro tão danificado poderia ser restaurado tão rapidamente?
Bem, o fato é que o neurocirurgião voltou do coma e  resolveu escrever um livro sobre essa experiência; Uma prova do céu ( Editora Sextante).
"Quando cheguei no portão, vi o vale de borboletas, a luz brilhante, a menina bonita que me acompanhava e os anjos acima. Esta foi minha consciência do divino, do amor incondicional. Deus não tem um rosto, um gênero, é mais poderoso do que se possa imaginar e está acima de qualquer palavra, por isso o chamo no livro de Om, que era o som que eu ouvia quando estava naquele lugar. Deus é uma palavra humana pequena e qualquer descrição que demos está aquém." 

E você o que acha disso... Acredita que realmente é possível um fato desse ter acontecido? Seria uma situação causada pelo intenso sofrimento? Ou realmente existe uma consciência que engloba o cérebro mente? 





Postar um comentário